jause-363835_1280

Dicas – Diferenças entre carne seca, charque e carne de sol


Olá!

A carne seca é um dos ingredientes usados em muitos pratos. Existem diversos tipos ou é tudo a mesma coisa?

Para responder esta pergunta, nós trouxemos uma matéria da jornalista Larissa Januário, especializada em gastronomia, do seu blog Sem Medida.

Antes de tirar as suas dúvidas, não deixe de conferir a nossa linha de facas e acessórios de cozinha inteligentes feitos para você na nossa loja virtual Smart Cozinha. Clique aqui para conhecer.

Boa Leitura!

 

Diferenças entre carne seca, charque e carne de sol

Carne seca, é o termo amplo que pode, dependendo do local do Brasil, significar carne de sol, charque, jabá, serenada e frescal… Mas com tantos nomes, será que trata-se do mesmo produto ou ele muda conforme a região?

Primeiramente, precisamos esclarecer que em todos os casos trata-se da mesma técnica culinária. Como a necessidade é a mãe solo que trabalha como jornalista freela (AFEE) da criatividade,  a cura de carne por salga e secagem nasce com o objetivo de fazer durar.

Isso mesmo! Toda carne curada é antes de tudo uma conserva! Um recurso para estender a vida útil da carne e permitir longas viagens sem estragar. Coisa antiga, usada há séculos, num mundo pré geladeira, e freezer e sacola térmica.

Basicamente, a carne é desidratada por meio do uso de sal. O que muda é o tipo de carne usada, o tempo de cura e até o método usado. A seguir, uma lista com as diferenças de cada uma das carnes curadas disponíveis no mercado.

Carne seca

Parece charque, mas não é.  A carne seca, além de poder ser o nome genérico do produto em si, pode significar, em algumas regiões do Brasil, um tipo de produto específico. A carne de bovinos (como alcatra e contra filé) cortada em postas e mantas, salgadas e depois expostas ao amanhecer por períodos variáveis até que perca pelo menos 50% da sua umidade. Geralmente leva mais sal e tem mais tempo de cura que a carne de sol, por exemplo, é menos úmida e tem maior prazo de validade. Deve ser dessalgada por no mínimo duas horas e pede cozimento longo. Feita na pressão fica macia e suculenta. Depois de cozida pode ser desfiada e passada salteada na manteiga para compor receitas como escondidinho, pastéis, bolinhos e tortas. Pode ser chamada também de carne-do-sertão, carne-do-Ceará, carne-do-Sul ou jabá.

Charque

Vem lá do Rio Grande do Sul esse produto. O batismo vem da palavra xarqui, do dialeto quíchua falado pelos índios da região dos Andes. Parece carne seca, mas a diferença é que leva mais sal e mais tempo de cura. Também é feita exclusivamente de carne de boi do dianteiro, mais gordurosos.  Os cortes são expostos à salga úmida, depois seca, antes de ir para a lavagem e secagem (ao sol ou em estufa). É mais durável que a carne seca e tem sabor e odor mais intensos e característicos. Na panela deve levar bastante tempo. Figura essencial no arroz de carreteiro. Também é chamada de carne-do-sertão, xergão, chalona, xarqui ou paçoca.

Carne de sol

Já do Nordeste temos a carne de sol, talvez a mais artesanal das carnes curadas. Passa por um leve processo de desidratação e salga, em que o corte (bovino ou caprino) recebe uma camada de sal fino e é deixado em locais cobertos e bem ventilados para secagem gradual. O sol ficou só no nome não é mais seca ao sol como antigamente. O período de secagem curto resulta numa carne ainda úmida com textura e cor bem parecidas com as originais e com menor prazo de validade. Mais macia, fica deliciosa preparada direto na grelha, churrasqueira ou frita, sem precisar passar antes por hidratação ou dessalga. Também é conhecida como carne-do-ceará, carne-do-sertão ou carne-de-vento.

Carne serenada

Muito semelhante à carne de sol é típica da região do cerrado mineiro. Também passa por um processo artesanal de cura com pouco sal e pouco tempo. Os cortes, basicamente bovinos, depois de levemente salgados são postos no “serenador”, suporte coberto e cercado de telas. São deixadas no sereno aproveitando o frio e umidade noturna, daí o nome. O corte mais usado em Minas Gerais é o de lagarto, que depois de curado, rende um bom churrasco escoltado de arroz, salada, feijão tropeiro, torresmo e cachaça.

Jabá

Jabá é um termo que vem do tupi, uma variação de yaba ou jabau, que significa fugir. Uma referência à carne que os escravos roubavam e levavam para seus esconderijos, os quilombos também chamados no tupi de Jabaquara (refúgios de escravos). Presta-se aos mesmos usos da carne seca.

Jerked beef e beef jerky

Versão gringa (inclusive na variação fonética) do charque vendido nos supermercados do Brasil. O processo de salga e cura também é semelhante ao da carne gaúcha, mas com adição de sais de cura conservantes na composição. Sempre é embalado a vácuo, retendo um pouco mais de umidade que o charque. Pode ser usada da mesma maneira que o primeiro. Mas é importante não confundir o nosso Jerked beef com o beef jerky encontrado em vários países do exterior. Esse é um produto totalmente diferente do nacional. Trata-se de uma carne seca vendida como petisco em forma de palito, embalado a vácuo, já pronto para ser consumido que, inclusive, pode ter sabores diferentes.

Fonte: Blog Sem Medida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *